25 de julho de 2012

Não tenho tempo

Este blog completou 100 mil visitas. Eu sempre pensei em como seria interessante, se meus pais tivessem um blog desde a adolescência deles, para que hoje eu pudesse ler seus pensamentos daquela época. Como isso não foi possível, resolvi escrever esse blog para minhas filhas, e dar a elas essa chance que eu não tive.


Mas praticamente abandonei o blog após o surgimento do Twitter. Meus pensamentos podem ser facilmente expressados em 140 caracteres. E também há um fator muito importante a ser considerado: tempo.

Eu não preciso ter tempo sobrando para ter um Twitter. Ninguém para de pensar, e em 30 segundos é possível passar esse pensamento pelo celular, para todas as pessoas que lhe seguirem. É o tempo de passar o fio dental, de arrumar a postura na cadeira, de pegar um ar, de dar uma espreguiçada, de beber água e, para muitas pessoas, até mesmo de tomar um bom banho.

Já para manter um blog, a dedicação de tempo precisa ser maior. Por exemplo, desde que iniciei esse post, já se foram uns 5 ou 6 minutos. Provavelmente até terminá-lo, levarei uns 10 ou 15, talvez até mais. Como eu preciso dedicar meu tempo a outras coisas que julgo mais importantes, mas não queria perder a oportunidade que tenho de escrever meus pensamentos para minhas filhas, todo mundo e eu ler, acabei preferindo o Twitter, e algum tempo depois, o Facebook e sua linha do tempo.

Às vezes eu pergunto pras pessoas se têm Twitter ou Facebook, e elas respondem “não tenho tempo”. Essa é uma expressão que odeio. Todos têm tempo, as mesmas 24 horas por dia. A diferença é em que cada pessoa escolhe dedicar esse tempo. A pessoa que não está em nenhuma rede social, não pode usar a “falta de tempo” como desculpa. Essa pessoa apenas não quer deixar de dar uma espreguiçada e perder os maravilhosos 30 segundos para postar uma frase, ou simplesmente não vê vantagem nenhuma nisso. É uma questão de escolha que, inclusive, respeito muito.

Antes do Twitter eu já dedicava alguns segundos da minha vida escrevendo na minha agenda com uma caneta – veja que arcaico –, aquilo que eu pensava que devia ser guardado, registrado. Se fosse capaz de causar uma mínima reflexão, seja engraçada ou dramática, eu estava anotando. A diferença é que hoje, eu posso enviar isso pra milhares de pessoas, usando exatamente o mesmo tempo, ou mais rápido, até.

A pessoa diz “você passa muito tempo no Twitter ou Facebook, vá se dedicar à sua família, seu trabalho, brincar com suas filhas” e eu já compreendo imediatamente a limitação da pessoa em entender que o tempo dedicado a isso, não é o mesmo para todas as pessoas. Posso não ser o melhor pai e esposo do mundo, mas dedico o máximo de tempo à minha família. Posso não ser o profissional mais incrível do universo, mas nunca deixei nada por fazer, clientes esperando, ou coisas do tipo. O tempo que eu dedico ao Twitter e ao Facebook é tão pouco, que se somarem todas as frases que posto em um dia, talvez dê menos tempo que a duração da escovação dos meus dentes.

E nem por isso, deixei de escrever. Nem deixarei. Minha filha se lambuza inteira com um pedaço de bolo, por exemplo, e enquanto ela ainda está montada em mim como se fosse seu cavalinho, posso tirar e enviar uma foto da minha filha lambuzada de chocolate e nas minhas costas em 30 segundos. Estou atendendo uma cliente idosa, maravilhosa, e quando finalizo o atendimento dou um abraço – como sempre – e meu crachá machuca o seu peito. Eu peço desculpas, ela diz que não foi nada e abraça de novo tirando o meu crachá do meio. Enquanto subo na moto pra ir embora, escrevo essa lição de paciência e carinho em 30 segundos. Se alguém quer ver ou ler isso? Também é uma questão de escolha. Uma coisa é certa: não sei se alguém quer ver, mas eu quero guardar isso.

Talvez eu precise voltar à minha agenda, para que apenas as pessoas que realmente sabem quem sou, possam ler. Mas seria um retrocesso. Posso também criar um espaço protegido onde eu possa salvar meus pensamentos na internet, e passar a senha só para quem realmente precise e queira. Mas deixar de pensar, de escrever, de registrar, isso jamais. Não estou mais na época dos meus pais.

Obrigado a todos que escolheram ler meus pensamentos. Às pessoas que visitaram 100 mil vezes este blog, saibam que continuarei como estava, sem dedicar muito tempo a ele. Mas de vez quando, dedicarei meus 15 ou 20 minutos para satisfazer os amigos que sempre vêm aqui saber o que estou falando. Abraços.

17 comentários:

  1. Muito bom pensamento, Luilton. Sábio, até.
    Fique bem, querido. Faça o que te faz feliz...
    Quem não gosta de te ler, tem a escolha de não fazê-lo. E pronto. Gosto muito de te ler. Abraços

    ResponderExcluir
  2. Obrigada a vc, Luilton, por escolher partilhar conosco suas preciosas lições, e suas hilárias tiradas. E também de guardar com tanto carinho, em aberto num blog, suas lembranças e reflexões, nos levando também a refletir. Ler vc alimenta o resquício de vida inteligente e bem-humorada que ainda habita em mim. Continue, viu? Abração!

    ResponderExcluir
  3. Vc é o máximo! Sou sua fã e suas filhas devem ter orgulho de vc.

    ResponderExcluir
  4. Não sou muito de comentar em blogs, só leio e tal! Mas essa eu vou ter que comentar: cara, parabéns!

    ResponderExcluir
  5. Sou uma fã sua há anos. Talvez pq é isso mesmo que falou..todos nós devemos escrever sempre um pouquinho da nossa vida. E fico muito satisfeita em ter coisas tão legais para ler pelos blogs da vida..o seu inclusive, é um dos meus PREDILETOS!! Parabéns 100.000x.. Grande Bj, Juliana Martinez.

    ResponderExcluir
  6. Vc conseguiu expressar exatamente o que todos pensamos quando comentamos nosso prazer nesse tipo de comunicação com pessoas que de alguma maneira não gostam, ou talvez não consigam criar intimidade com redes sociais...Parabens !

    ResponderExcluir
  7. cara, voce é uma inspiração pra quem gosta de registrar idéias e pensamentos. também quero muito que meus filhos saibam como eu me comprtava quando eles chegarem a minha idade. assim como sei o que minha mae sente ao compartilhar seus sentimentos nas redes sociais. queria que meu pai tambem tivesse feito o mesmo. é de um valor imenso. parabéns.

    ResponderExcluir
  8. Eu sempre tive o mesmo comportamento, de registrar pensamentos que valiam a pena em agendas, capas de caderno... Um dia encontrei um caderno de caligrafia da época da escola onde eu escrevia apenas frases de músicas que gostava muito, então com o caderno em mãos até postei algumas frases que foram registradas ali quando ainda nem sonhava que um dia usaria uma rede social. Nem e-mail tinhamos ainda! rsrs

    ResponderExcluir
  9. Tem uma pessoa no facebook que copia seus textos e posta como dela. perfil Raquel Pires Pires

    ResponderExcluir
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  11. Após ler este post, fui procurar as minhas agendas antigas. Vou tirar uma noite e reler todas, tenho mais de 16 e são completas! É um documento da minha passagem pela vida que não pode ser jogado fora. Por isso, entendo muito bem você querer escrever tudo o que se passa. Isso é uma necessidade que as pessoas não entendem, é um vício que depois de contaminados, não conseguimos mais largar. Continuo escrevendo até hoje e sempre! Um abraço.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  13. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  14. Adorei! Me identifiquei muito. Adoro registrar meus pensamentos, tenho um blog mas faz tempo que não escrevo lá exatamente por ser necessário dedicação, e por isso uso muito (e sempre) o twitter, bem mais do que facebook, inclusive. As pessoas não entendem de primeira e nem sempre eu explico, mas é isso: pensamentos são riquezas que se perdem na confusão da nossa cabeça se a gente não pegar elas e guardar num bauzinho.

    ResponderExcluir

Seu comentário me fará bem. :)