31 de julho de 2014

Por que odeio hospitais

Por que eu odeio ficar doente, e odeio profundamente ter que ir a hospitais?

Na segunda-feira à noite, voltei do trabalho e quase não dormi com uma dor repentina no pescoço e braço esquerdo. Até aí, tudo bem. Já havia acontecido outras vezes. Daí fui trabalhar, com muita dor, mas se tem outra coisa que odeio é precisar faltar ao trabalho. 

Diferentemente das outras dezenas de vezes, não consegui aguentar. Saí às 16h e só não tava chorando porque não queria preocupar minha família. Aí vem o primeiro problema: moro numa cidade que não tem hospital, tem só uns faz-de-conta, que só não falo mais mal, porque assim mesmo podem me salvar, um dia. Mas a situação da saúde é lastimável. Então tenho que ir à Fortaleza, e tome 1 hora de viagem na estrada e mais 2h dentro da cidade com um trânsito de enlouquecer qualquer Dalai Lama. Tive que ir só, porque sabia do transtorno pelo qual submeteria minhas duas filhas me acompanhando nessa missão.

Segundo problema: filas e salas de espera. Tenho a impressão que todo mundo demora para ser atendido, e quando chega a minha vez é tão rápido, que a raiva só aumenta por ter que esperar tanto. Pra completar, tive a felicidade de reencontrar uma ex-colega de trabalho que não via há 5 anos, porém, que estava sentada atrás de mim, e eu tinha que virar o bendito pescoço pra dar atenção, o que lascou ainda mais. Imagine a cena, eu querendo dar atenção, sem poder, virando o pescoço pra trás.

Depois vem o atendimento e a medicação. Felizmente o 1º doutor foi muito gente boa. Aí fui fazer um eletrocardiograma, e a enfermeira me mandou tirar a camisa:

- Hum, eu acho bonito é assim, peito todo pelado.
- Como? (prendendo riso)

Ela repetiu, e pediu que me deitasse.

- Nossa que pernas grossas, o negócio aqui nem tá encaixando. Estão inchadas, é?

Óbvio que apenas sorri, imaginando que ela deveria dizer isso a todos os pacientes, pra quebrar o gelo. Outra coisa a se ponderar é que era uma enfermeira que, acredito, está bem próximo de se aposentar.

Depois vem remédio na veia, ânsia de vômito, tontura, remédio de que não deu certo, outro remédio na veia e enquanto isso: telefone descarregado. Pra piorar tudo, não tinha como me comunicar com minha família e minha querida internet.

Meia-noite, vou pra casa da minha tia em Fortaleza, que estava há um mês sem ninguém habitando. E um detalhe importante é que eu previ que voltaria pra casa no interior, mas o trânsito e a lerdeza dos hospitais nunca deixariam que fosse assim. Então não levei roupas, nada.

No dia seguinte (no caso, hoje), fui fazer um exame de ressonância magnética que o 2º doutor me solicitou. Cheguei às 9h no hospital, e tome fila. Ao chegar a minha vez, apresento a solicitação do exame e o cartão do meu plano. Eu pago o meu plano de saúde e da minha familia há 14 anos e NUNCA havia precisado. Nunca. Aí, a atendente diz: "Senhor, o plano só poderá autorizar se você for lá na SEDE DA EMPRESA PEGAR UMA GUIA DE AUTORIZAÇÃO." Parece brincadeira, mas eu não fiquei com raiva. Estou doente e tinha que preservar energia. Apesar da dor interminável, fui.

Mais 2 horas de espera e finalmente vou fazer a ressonância magnética. Peço umas dicas na internet porque nunca tinha feito isso. Aí vem minha esposa e diz que eu tenho que ficar nu. Até aí tudo bem, até que vem o Paulo Orlando e fala que posso ficar de cueca. Analisando minha cueca e seus buracos, preferi ficar nu mesmo. Fui ao banheiro tirar. Queria estar pronto pra ser atendido por alguma mulher tipo, dançarina do Faustão, conforme o Orlando me informou.

Eis que de repente vem uma lapa de negão, da minha altura e com a voz fina. O medo aumentou 5 vezes quando ele me mandou tirar a roupa e ficar só de cueca, e vestir uma bata, um sapatinho de pano e uma toca.

- Eu estou sem cueca, tenho alergia.
O negão sorriu, e essa foi uma das piores sensações que já tive na minha vida.

Ao deitar na maca, eu tinha que ficar reto. Porém, a minha dor é justamente isso: eu não posso ficar reto. Então foram os 20 minutos mais difíceis de todos, pois fiquei forçando minha própria dor e não podia me mexer, nem engolir minha própria saliva! Nunca pensei que fosse ficar feliz ao rever aquele negão quando, finalmente, tive que sair da droga daquela máquina.

Continuo me perguntando “por que comigo”, “por que logo eu”, “por que as pessoas precisam ficar doentes”, e outras perguntas. É claro que sei que há situações muito, mas muito piores que a minha, mas sempre vou achar injusta essa história de doença e dor. E que Deus me faça passar por isso logo.

4 comentários:

  1. acesse : https://mundofrasesfacebook.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. REPLICAS DE RELOGIOS.TV

    Estamos com parceria com o google para indicar lojas de replicas de relogios, somos pioneiros no Brasil em replicas de relogios rolex, replicas de relogios tag heuer, todos nossos produtos são de alta qualidade, de origem italiana e suiça, nossas lojas de replicas...

    RELOGIOS-SP

    Visite nosso site de replicas de relógios sp somos os maiores vendedores do google todos produtos são classe AAA replicas de relógios rolex, replicas de relógios tag heuer, relogios sp, replicas de relogios sp, nos faça uma visita venha em uma de nossas lojas em sp...

    REPLICAS DE RELOGIOS RJ

    Em conjunto com o google temos diversas lojas de replica de relogios rj, replicas, replicas de relogios tag heuer, replicas de relogios famosos, replicas de relogios rolex, todos relogios a venda são produtos importados de altíssima qualidade diretamente da Itália e Estados Unidos, confiram nossos relógios importados, entre em contato peça catálogo ou visite nossos sites parceiros....

    ResponderExcluir
  3. Adoro seu blog :3 visite o meu! tô começando agora.. rs.. http://umainsonia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Criatura, coisas boas e ruins acontecem com pessoas boas ou ruins...

    você é uma pessoa boa! e eu sou sua fã! Agora que está melhor você deve ter inúmeras histórias pra compartilhar... eu as aguardo!

    ResponderExcluir

Seu comentário me fará bem. :)